sexta-feira, 29 de maio de 2009

"...E por falar em saudade..."





Hoje acordei com saudade...Saudade das "manas mãe"(sou a caçula e meio filha de três mulheres lindas),saudade da minha terra,da minha praia,dos meus velhos,do meu "Pai bino"(irmão mais velho que já partiu)...Saudade de está com meu povo,do colo gostoso do meu lugar.Saudade do meu mar.Hoje acordei assim... Com vontade de fugir pra lá... Reli os textos da "Beinha"(irmã poetisa) e chorei lembrando o Velho João e a D. Salve,e aqui, enquanto explico o meu pesar,agradeço a Deus essa saudade e as lágrimas que ainda posso chorar.

Aline Romariz



A casa da irmã


(A Alari)


A casa da irmã

tem ruídos

bem vindos

O grito dos netos

A gargalhada do tio

O salto desautorizado

na piscina

das crianças que cresceram

à nossa revelia


A mesa da irmã

recebe visitantes contínuos

ou inesperados

o caruru

misturado como todos

traz castanhas curvas

em hipótese de abraço

camarões enormes

como o prazer da irmã

cacique de uma tribo

híbrida em cores e afetos


O rosto da irmã

de uma alvura

tão pouco nordestina

ressuscita a morenice

da velha mãe

desaparecida no tempo

à nossa revelia


E reedita

com cores novas

o filme antigo

que conta a história

de uma família

colcha de retalhos

diversos

costurados por linhas frouxas

de bem querer



Vera Romariz

(dezembro de 2007)



Misturada mulher, fascinantes papéis






Passei parte de minha vida ouvindo mulheres dizendo que não queriam ter nascido mulher; lamentando-se por não integrarem o universo dos homens, que tudo podiam, na província e no tempo em que nascemos. Mas também passei parte de minha vida sabendo,intestinamente,que ser mulher foi um presente raro que recebi de meus pais: um velho liberal,de voz pausada e melancólica,idealista,que um dia Graciliano Ramos,na prisão,nomeou de “ nacionalista ingênuo”.Ele se encantava com as filhas,todas muito parecidas com ele,um ser meio feminino,para os padrões machistas da época,que odiava tiranias dentro e fora de casa.Investiu em nossa educação,abominando o hábito feminino,culturalmente induzido,de deixar de estudar para casar.Marido,dizia o velho João Romariz., não é emprego.

Encantado com as filhas, meu pai atuou como atuam as mulheres: ensinando-nos a ser tolerantes, solidárias, delicadas. Um poeta, de poucas poesias feitas e muitas vivenciadas. De minha mãe, lembro a força e a ordem, o tom alto que nos incutia medo,aspectos hoje considerados masculinos,pois ela era uma mãe forte e densa que desfazia,com gritos e beijos,o estereótipo da mulher submissa.Sorríamos quando nos dizia que não mandava em nosso pai,que tudo combinava com ele,pois o nosso cotidiano era governado por ela,presidente sem vice,salvo em questões intelectuais.

Tantos anos depois, guardo na memória o presente que ambos me deram: o de ser uma mulher cuja feminilidade elástica tanto pode ser herança de doçura e sensibilidade, quanto exercício de força e interferência no mundo. De uma forma estranha,quando brigo,lembro a velha guerreira, confinada no espaço da casa,que minha mãe sempre foi;quando leio ou faço poemas,exercitando uma sensibilidade ancestral,masculina e feminina,lembro o velho pai,o meu melhor lado feminino.E,híbrida,posso chorar,gritar,sorrir ou calar meus medos,e tanto mais feminina -porque complexa e humana -serei.




Vera Romariz, março de 2008

9 comentários:

  1. Só mesmo alguém como vc,pra nos mostrar esse agradecimento por sentir saudade. Lindos textos.Linda música. Linda ,Aline Romariz.

    ResponderExcluir
  2. E a nossa saudade não é menor... A sua alegria nos faz muita falta.

    ResponderExcluir
  3. Ronaldo Fernandes29 de maio de 2009 07:52

    "... você não sabe o que é farinha boa...Farinha é a que mãe me manda lá de Alagoas..."Menina Aline,eu que vivi de perto o amor dos Romarizes, posso sentir com você essa saudade... O seu texto,e os de Vera me fazem admirá-las ainda mais.Ronaldo Fernandes

    ResponderExcluir
  4. Lininha,estamos nos aprontando para recebê-la.Contando os dias,sua irmã fala para todos que encontra: Sabe quem vem em junho? Os mais gozadores já respondem: Aline. E sorriem do sorriso gostoso dela. Nóa a amamos muito. Venha logo!

    ResponderExcluir
  5. Vem hj? Eu é que tô com saudade de vc. Anime-se!! Hj é dia de SOPA!

    ResponderExcluir
  6. Eu sou testemunha da alegria da casa de sua irmã,onde vc recarrega as baterias,onde seus olhos brilham com mais intensidade,e qdo vc volta volta com um bronze invejável e seus olhos mais...Sei lá que cor é essa(kkkkkkk). Beijo meninas lindas!

    ResponderExcluir
  7. E o que estás esperando??? Larga tudo e vem correndo... Vem matar essa saudade...Vem ouvir DiDa Lyra,comer acarajé,ver o sol se pôr na nossa lagoa,vem ver seus amigos que morrem de saudade de vc.

    ResponderExcluir
  8. "Não se admire se um dia um beija-flor invadir a porta da sua casa te der um beijo e partir fui eu que mandei o beijo que é pra matar meu desejo faz tempo que eu não te vejo ai que saudade d'0cê" Flavinha

    ResponderExcluir
  9. Aline lindo o seu texto !
    Lindo, lindo !
    O tempo que marca o sentimento da saudade é diferente daquele que mede a sucessão dos dias e das horas !
    O tempo da saudade é o tempo da memória...
    Com imensa admiração e um beijo muito carinhoso,
    George Arribas

    ResponderExcluir

Nós que fazemos o PALAVRA DE MULHER,AGRADECEMOS O SEU COMENTÁRIO!!!